Conquista Urgente

Conquista Urgente


Resultado da busca pela categoria "policial"

Polícia civil de Brumado prende fugitivo do presídio de Vitória da Conquista

Sexta | 02.06.2017 | 09h08
Autor: Conquista Urgente


Foto: Reprodução

Uma equipe de Investigadores da Polícia Civil (20ª COORPIN) obteve êxito em localizar e prender, no centro da cidade de Brumado um presidiário fugitivo do presídio Nilton Gonçalves de Vitória da Conquista. O homem de 41 anos, foi condenado por tráfico de drogas havia saído do presídio pelo benefício da saída temporária de Páscoa e não mais retornou. Em 2012 ele foi preso em uma operação conjunta das Polícias Civil e Militar, na cidade em Brumado, quando fora flagrado com um tablete e várias trouxinhas de maconha, bem como a quantia de R$ 558. Vale salientar que na ocasião de sua prisão em 2012, ele também se encontrava evadido do sistema prisional e possuía contra si mandado de prisão em aberto, também pela prática do crime de tráfico de drogas. Ele deve ser recambiado para o presídio Nilton Gonçalves nos próximos dias. Este caso se repete, pois é o segundo evasor do sistema prisional recapturado nesta semana pela Polícia Civil de Brumado.

Delegado que abriu inquérito sobre Teori Zavascki é morto

Quarta | 31.05.2017 | 14h00
Autor: Veja


Foto: Reprodução

O delegado Adriano Antônio Soares, da Polícia Federal do Rio de Janeiro, foi assassinado na madrugada desta quarta-feira em Florianópolis, após troca de tiros em uma casa noturna na capital catarinense. Soares foi o responsável pela abertura de inquérito para apurar a morte do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), falecido na queda de um avião em janeiro. O delegado e o colega Elias Escobar estavam em Santa Catarina para participar de um curso de capacitação interna da Polícia Federal. Após a abertura da investigação sobre a morte de Teori, colocada por Adriano Soares sob sigilo, esta foi transferida para Brasília, presidida por outro delegado. Soares chefiava a delegacia de polícia em Angra dos Reis e Escobar, em Niteroi, ambas no litoral fluminense. Responsável pela investigação, o delegado Ênio de Oliveira Mattos aponta que o conflito se iniciou com “uma discussão banal que evoluiu para troca de tiros” entre os dois agentes e uma terceira pessoa, que encontra-se internada.

Temer tem inquérito aberto e é novo réu na Lava-jato

Quinta | 18.05.2017 | 15h00
Autor: Brumado Urgente


Foto: Reprodução

Já é nacionalmente conhecida a notícia de que o presidente Michel Temer (PMDB) foi oficialmente incluído no processo da Lava-jato. A autorização partiu do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), na tarde desta quinta-feira. O pedido de investigação foi feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR). A legislação brasileira estabelece que um presidente da República só pode ser investigado em casos de irregularidades cometidas durante o exercício do mandato e com autorização do STF. Temer foi implicado na delação feita pelo empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo JBS - controlador da Friboi. Segundo informações divulgadas pelo jornal O Globo nesta quarta-feira (17), o empresário gravou o presidente dando aval para a compra do silêncio do ex-presidente da Câmara de Deputados, Eduardo Cunha, preso em Curitiba. A delação de Batista foi homologada por Fachin e o sigilo das investigações pode ser levantado nas próximas horas. Com a decisão de Fachin, Temer passa formalmente à condição de investigado na Operação Lava Jato. Diante de tais acusações o Presidente poderá dar falar ao público ainda hoje em pronunciamento ainda esta tarde.

Irmã e primo de Aécio são presos pela PF

Quinta | 18.05.2017 | 12h00
Autor: VEJA


Foto: Reprodução

Andrea Neves, irmã de Neves, foi presa na manhã desta quinta-feira em Belo Horizonte acusada de pedir dinheiro para Joesley Batista em nome do irmão – que recebeu 2 milhões de reais do empresário em entrega filmada e registrada. O dinheiro foi dada a um primo de Aécio, que também foi preso preventivamente pela Polícia Federal. Frederico Pacheco de Medeiros, conhecido como Fred, teria sido filmado recebendo 2 milhões de reais a mando de Joesley Batista. Além deles, Menderson Souza Lima, assessor do senador Zezé Perrela (PMDB-MG) também foi preso. Todos foram citados na delação de Joesley Batista. Em todos os casos os mandados são de prisão preventiva e foram autorizados pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Ex-prefeito baiano é acusado de roubar documentos e cadeira do gabinete

Quarta | 17.05.2017 | 15h31


Foto: Divulgação-Polícia Civil

O Ex-prefeito de Itagimirim, que deixou o cargo este ano, e quatro ex-secretários da cidade são investigados por roubo de bens e documentos da prefeitura, que fica no sul do estado da Bahia. Nesta quarta-feira (17), eles foram levados à delegacia pela Polícia Civil de Eunápolis para prestar depoimento. Entre os bens roubados está até a cadeira do prefeito. Oito mandados de busca e apreensão foram cumpridos.  O ex-gestor, Rogério Andrade de Oliveira, além dos ex-secretários municipais Sérgio Murilo Cerqueira, Rilson Neris Miranda, Rafael Cesar do Amaral e Wesley José Conçalves foram alvos das conduções coercitivas. Além da cadeira, foram levadas peças de veículos automotores e tratores, mobiliários da sala de recepção do gabinete, quadros, ar-condicionado, computadores, scaner, impressoras e outros. Os mandados foram expedidos pelo Juiz de Direito Roberto Costa de Freitas Júnior e foram cumpridos nos municípios de Itagimirim, Itapebi, Santa Cruz Cabrália e zona rural de Belmonte, todos esses em relação às práticas investigadas contra a ex-gestão de Itagimirim. A polícia investiga ainda condutas de improbidade administrativa, como falta de prestação de contas ao Tribunal de Contas do Estado, ausência de portarias de nomeações, e das pastas de processos, para pagamentos de servidores municipais.

Palocci dispensa advogados e decide fazer acordo de delação com Lava Jato

Sábado | 13.05.2017 | 10h06
Autor: Brumado Urgente


Foto: Reprodução

Segundo informações apuradas no site Veja, O ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil Antonio Palocci decidiu negociar um acordo de delação premiada com a força-tarefa da Operação Lava Jato e comunicou a decisão a seu advogado, o criminalista José Roberto Batochio, que é contrário aos acordos de delação firmados na Lava Jato. Palocci está detido na carceragem da Polícia Federal em Curitiba desde setembro de 2016, quando foi deflagrada a Operação Omertà, 35ª fase da operação. A negociação da delação premiada de Palocci será conduzida por outros advogados; Adriano Bretas, Tracy Reinaldeti, Matteus Beresa de Paula Macedo e André Luis Pontarolli, do escritório Bretas Advogados, especialistas em delação premiada. Antonio Palocci é réu em dois processos sob responsabilidade de Moro na Lava Jato, acusado em ambos dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Pindaí: Delegado da cidade e mais dois servidores foram presos

Quinta | 11.05.2017 | 14h07
Autor: Guanambi Fm


Foto: Reprodução

Nesta manhã de quinta-feira (11) o delegado de Polícia Civil Nilo Ebrahim Ribeiro foi preso por policiais da Corregedoria da Polícia Civil que ainda estão em diligência em Guanambi. Segundo informações, mais dois servidores da Polícia Civil foram presos pelos policiais que iniciaram a operação no início da manhã. Um dos servidores da Polícia Civil preso na operação estava de plantão no presídio de Guanambi e foi identificado pelo prenome Jeremias. O outro conduzido pelos homens da Força Tarefa da Corregedoria não teve o nome divulgado. Um terceiro individuo identificado como Cleiton, que, também, tem mandado de prisão expedido contra ele não foi encontrado e a polícia segue à procura do mesmo. Nesta manhã os policiais e delegado da corregedoria chegou a ir em Carinhanha a procura de Cleiton, mas não o localizou. Enquanto esteve no município de Carinhanha o delegado Nilo Ebrahim e os demais homens presos foram acusados de abuso de autoridade e recebimento de dinheiro para benefício de pessoas alvos de inquéritos

Mais de 270 kg de cocaína são apreendidas no porto de Salvador

Terça | 09.05.2017 | 13h02
Autor: G1 Bahia


Foto: Divulgação-Receita Federal

Dez sacolas de viagem que carregavam 279,5 kg de cocaína foram localizados pela Alfândega da Receita Federal do Porto de Salvador, em operação conjunta com o Núcleo Especial de Polícia Marítima da Polícia Federal, na madrugada desta terça-feira (9). As sacolas estavam em um carregamento de borracha que tinha como destino final o porto de Antuérpia, na Bélgica. Segundo a Receita Federal, a suspeita é de que a droga tenha sido exportada com a técnica criminosa conhecida por “rip-off”, em que o entorpecente é inserido em uma carga regular, sem o conhecimento do proprietário. A Polícia Federal continuará com a investigação para identificar os responsáveis pela droga.

 

Victor fala pela primeira vez sobre caso de agressão à mulher

Terça | 21.03.2017 | 19h08


(Foto: Reprodução)

No domingo passado (19), o cantor Victor Chaves, da dupla com Leo, falou sobre a denúncia de agressão contra a mulher, Poliana Bragatini. O desabafo foi durante um show em Biguaçu (SC):  "Você passa por uma experiência muito dura, muito difícil na sua vida, você percebe a verdadeira essência de conhecer o lado do outro e respeitar o lado do outro quando o outro passa por uma dificuldade grande também. Sinceramente, é um tempo bom para dividir com as pessoas que simplesmente não quiseram crer no pior. Porque a gente crê no que a gente quer, né. Não naquilo que é verdade. O que é verdade a gente nem conhece. As pessoas que quiseram crer na minha verdadeira essência são as pessoas que conhecem o meu lado bom, meu lado artístico e humano", disse.E continuou falando sobre a repercussão do caso: "Agora, enquanto a gente percebe um monte de gente xingando, julgando e condenando na situação que eu passei, o que eu aprendi com isso foi que, quando eu vi aquele tantão de gente condenando sem julgamento algum eu percebi que minha ficha caiu nessa hora e eu disse: já fui igualzinho a vocês. Agora sou menos", completou Victor, e agradeceu ao seu irmão Leo pelo apoio que tem recebido. 

PF deflagra nova fase da Lava Jato; pessoas ligadas a políticos com foro são alvo

Terça | 21.03.2017 | 10h06


(Foto: Reprodução)

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (21) uma nova fase da Lava Jato, desta vez envolvendo políticos com foro. Segundo informações do Bom dia Brasil, da TV Globo, há mandados judiciais emitidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF), corte responsável por casos envolvendo pessoas com foro privilegiado. Há uma operação em curso também em Salvador na manhã desta terça: equipes da PF foram vistas em um edifício do Condomínio Reserva Albalonga, no Horto Florestal. Segundo a superintendência regional da PF, os dois mandados cumpridos na capital baiana são referentes a uma operação autorizada pelo STF, mas ainda não há mais detalhes sobre a ação.  Ainda não há confirmação se o cumprimento de mandados em Salvador tem relação com a 39ª fase da Lava Jato.

Parte da propina era revertida para PP e PMDB, diz PF sobre fraude em carne

Sexta | 17.03.2017 | 14h23


(Foto: Reprodução)

O delegado da Polícia Federal (PF) Maurício Moscardi Grillo afirmou que os partidos PP e PMDB eram beneficiados com propina envolvendo o esquema ilegal de vendas de carnes."Dentro da investigação ficava bem claro que uma parte do dinheiro da propina era sim revertida para partido político. Caracteristicamente já foi falado ao longo da investigação dois partidos que ficaram claros: que é o PP e o PMDB", disse durante a coletiva de imprensa realizada em Curitiba na manhã desta sexta-feira (17), dia em que a Operação Carne Fraca foi deflagrada pela PF.A operação apura o envolvimento de fiscais do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) em um esquema de liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos.Segundo a polícia, a Carne Fraca é, em números, a maior operação já realizada pela PF no país. Pela manhã, funcionários do ministério foram detidos. Em seis estados do Brasil e no Distrito Federal, 309 mandados judiciais são cumpridos, sendo 27 de prisão preventiva – que é por tempo indeterminado – e 11 de prisão temporária."O período da investigação é o período que eu posso dizer, ao longo de dois anos de investigação isso era mais claro para a gente. Não sei se eventualmente um esquema ligado a partidos ocorria há mais tempo e também não ficava caracterizado para a gente para qual político especificamente ia todo esse dinheiro", relatou Maurício Moscardi Grillo.A PF informou que ainda não foi detectado o motivo pelo qual o dinheiro era destinado aos partidos. 

Produtos químicos eram usados para 'maquiar' carnes vencidas, diz polícia

Sexta | 17.03.2017 | 13h11


(Foto: Reprodução)

Frigoríficos investigados na Operação Carne Fraca usavam produtos químicos para "maquiar" carne vencida. As empresas também injetavam água para aumentar o peso dos produtos e, em alguns casos, foi constatada ainda falta de proteína na carne. Os detalhes foram passados pelo delegado da Polícia Federal Maurício Moscardi Grillo em coletiva de imprensa nesta sexta-feira (17). “Eles usavam ácidos e outros produtos químicos para poder maquiar o aspecto físico do alimento. Usam determinados produtos cancerígenos em alguns casos para poder maquiar as características físicas do produto estragado, o cheiro", disse Moscardi.No caso da falta de proteína, o delegado explicou que havia substituição. "Foi trocada por fécula de mandioca ou proteína da soja, que é muito mais barata, mais fácil de substituir."O delegado afirmou que nem mesmo os fiscais envolvidos, que costumavam ganhar carnes dos proprietários como benefício, estavam aguentando a má qualidade dos produtos. "Eles comentavam entre si que não estava mais dando para receber", disse. A operação apura o envolvimento de fiscais do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) em um esquema de liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos. Segundo a polícia, a "Carne Fraca" é a maior operação já realizada pela PF no país. Pela manhã, funcionários do ministério foram detidos.Foram investigadas grandes empresas do setor, como a BRF Brasil, que controla marcas como Sadia e Perdigão, e também a JBS, que detém Friboi, Seara, Swift, entre outras marcas. Também há envolvimento, segundo a PF, de frigoríficos menores, como Mastercarnes, Souza Ramos e Peccin, do Paraná, e Larissa, que tem unidades no Paraná e em São Paulo.Em nota, a JBS afirmou que houve ação da Carne Fraca em três unidades produtivas da companhia, sendo duas delas no Paraná e uma em Goiás. Na unidade da Lapa (PR), houve uma medida judicial expedida contra um médico veterinário, funcionário da JBS, cedido ao Ministério da Agricultura.Segundo a empresa, não há nenhuma medida judicial contra executivos da JBS e que a sede não foi alvo da operação. "A JBS e suas subsidiárias atuam em absoluto cumprimento de todas as normas regulatórias em relação à produção e a comercialização de alimentos no país e no exterior e apoia as ações que visam punir o descumprimento de tais normas", diz a nota. (veja íntegra no fim da reportagem). O G1 pediu um posicionamento da BRF e aguarda retorno.

Polícia Federal cumpre 311 mandados em 7 estados; apuração envolve licença de frigoríficos

Sexta | 17.03.2017 | 09h11


(Foto: Reprodução)

A Polícia Federal cumpre na manhã desta sexta-feira (17) 311 mandados judiciais em sete estados, pela operação Carne Fraca, apura o envolvimento de fiscais do Ministério da Agricultura, Pecuária, Abastecimento (Mapa) em esquema de liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos. Segundo informações da Polícia Federal, algumas das maiores empresas do país são alvos da apuração. A investigação aponta que os fiscais pediam propina para empresários; estes cediam, mas em contrapartida, chegavam a obter a prerrogativa de indicar quem faria a fiscalização nas empresas. Os mandados serão em São Paulo, Distrito Federal, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Goiás. Ao todo, 1,1 mil policiais participam da ação. Do total de mandados, 26 são de prisão preventiva, 11 de prisão temporária e 79 de conduções coercitivas, além de 195 mandados são de busca e apreensão. Também há ordem judicial para o bloqueio determinou o bloqueio de bens de todos os investigados no caso, somando R$ 1 bilhão. A nome da operação, Carne Fraca, faz menção à expressão popular, como uma forma de indicar a má qualidade dos alimentos vendidos por essas empresas.

Perícia conclui que PM matou família e cometeu suicídio em seguida

Quinta | 16.03.2017 | 09h14
Autor: Correio 24h


(Foto: Reprodução)

A perícia realizada pela Polícia Civil no apartamento do policial militar Cláudio Guimarães Müller de Azevedo, 43 anos, concluiu que ele cometeu um duplo homicídio seguido de suicídio. Cláudio, a esposa dele, Catarina Teixeira Müller, 39, e o filho do casal, Lucas, de 12 anos, foram encontrados mortos com marcas de tiro, na tarde desta quarta-feira (15). A família morava no Loteamento Aquarius, no 11º andar do bloco B, do Edifício Arpoador, na Rua Clara Nunes, no bairro da Pituba, próximo ao Colégio Anchietinha.De acordo com o perito criminal Ríbio Januário, a arma utilizada no crime estava ao lado do PM. Ainda segundo o perito, o menino e o pai foram encontrados no quarto do casal e a esposa no quarto da criança. Os cômodos não estavam trancados. Em nota, a Polícia Civil divulgou que o subtenente chegou ao prédio por volta da 1h30 da madrugada e que os disparos foram ouvidos meia hora depois de sua chegada. Ainda conforme a nota, mãe e filho foram baleados três vezes cada um. O policial se matou com um tiro na cabeça. A arma usada por ele foi uma pistola ponto 40. A pistola foi encaminhada para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) para ser periciada. Os corpos foram removidos do apartamento por volta das 17h. A perícia não constatou sinais de arrombamento da porta do imóvel. No entanto, nesta tarde, a Polícia Militar (PM) não havia descartado a presença de uma quarta pessoa na cena do crime.O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) seguirá apurando as circunstâncias e motivação do fato. Na saída do local, os peritos carregavam notebooks e celulares para serem periciados. Segundo a polícia, vizinhos e parentes já estão sendo ouvidos pelo departamento e imagens do local serão coletadas para análise.

Perícia conclui que PM matou família e cometeu suicídio em seguida

Quinta | 16.03.2017 | 09h14
Autor: Correio 24h


(Foto: Reprodução)

A perícia realizada pela Polícia Civil no apartamento do policial militar Cláudio Guimarães Müller de Azevedo, 43 anos, concluiu que ele cometeu um duplo homicídio seguido de suicídio. Cláudio, a esposa dele, Catarina Teixeira Müller, 39, e o filho do casal, Lucas, de 12 anos, foram encontrados mortos com marcas de tiro, na tarde desta quarta-feira (15). A família morava no Loteamento Aquarius, no 11º andar do bloco B, do Edifício Arpoador, na Rua Clara Nunes, no bairro da Pituba, próximo ao Colégio Anchietinha.De acordo com o perito criminal Ríbio Januário, a arma utilizada no crime estava ao lado do PM. Ainda segundo o perito, o menino e o pai foram encontrados no quarto do casal e a esposa no quarto da criança. Os cômodos não estavam trancados. Em nota, a Polícia Civil divulgou que o subtenente chegou ao prédio por volta da 1h30 da madrugada e que os disparos foram ouvidos meia hora depois de sua chegada. Ainda conforme a nota, mãe e filho foram baleados três vezes cada um. O policial se matou com um tiro na cabeça. A arma usada por ele foi uma pistola ponto 40. A pistola foi encaminhada para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) para ser periciada. Os corpos foram removidos do apartamento por volta das 17h. A perícia não constatou sinais de arrombamento da porta do imóvel. No entanto, nesta tarde, a Polícia Militar (PM) não havia descartado a presença de uma quarta pessoa na cena do crime.O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) seguirá apurando as circunstâncias e motivação do fato. Na saída do local, os peritos carregavam notebooks e celulares para serem periciados. Segundo a polícia, vizinhos e parentes já estão sendo ouvidos pelo departamento e imagens do local serão coletadas para análise.